LOGIN :
Blog - Hiscox Cyber Readiness Report 2020: Aumento das perdas cibernéticas vs. Intensificação da capacidade de resposta

Hiscox Cyber Readiness Report 2020: Aumento das perdas cibernéticas vs. Intensificação da capacidade de resposta

cyber Hiscox

As perdas cibernéticas entre as empresas atacadas em 2019 aumentaram quase seis vezes, de uma média de US $ 10.000 por empresa para US $ 57.000. Mas há sinais de que as empresas estão a responder com medidas de segurança mais rigorosas e investimentos mais altos em termos de segurança, que resultou num aumento de 39%.

Estes estão entre alguns dos principais resultados do inquérito a 5.569 empresas em oito países, encomendado pela seguradora Hiscox, representada em Portugal pela Innovarisk, à Forrester Consulting. De forma encorajadora, se por um lado as perdas aumentaram, por outro a proporção de negócios visados caiu de 61% para 39%.

A quarta edição do Hiscox Cyber Readiness Report entrevistou uma amostra representativa de organizações do setor público e privado nos EUA, Reino Unido, Bélgica, França, Alemanha, Espanha, Holanda e República da Irlanda. Cada empresa foi avaliada pela sua estratégia e execução de segurança cibernética e classificada em conformidade. Os resultados mostraram uma melhoria acentuada na prontidão da segurança cibernética, duplicando a percentagem de inquiridos que se qualificaram como “especialistas” em segurança cibernética (18% em 2020 versus 10% em 2019).

Principais conclusões:

  • Aumento das perdas cibernéticas: o total de perdas cibernéticas aumentou de US $ 1,2 mil milhões para quase US $ 1,8 mil milhões.
  • Pedidos de resgate: Mais de 16% do total de entrevistados – ou um em cada seis dos atacados – pagou um resgate após um ataque de malware.
  • Melhoria da capacidade de resposta: o número de empresas que se qualificaram como “especialista” na avaliação de capacidade de resposta em segurança cibernética aumentou de 10% para 18%.
  • Aumento dos custos cibernéticos: o custo médio em segurança cibernética aumentou 39%, de US $ 1,47 milhão para US $ 2,05 milhões.

Gareth Wharton, Hiscox Cyber CEO, afirmou que “embora o número de empresas que denunciam uma violação cibernética tenha diminuído este ano, o custo da atividade criminosa nesta área parece ser impressionantemente mais elevado. O número de empresas que pagaram um resgate após uma infeção por malware é assustador. Há, no entanto, uma mensagem muito positiva do relatório deste ano. Há evidências claras de uma mudança radical na preparação cibernética, com elevados níveis de atividade e investimentos. A adoção de um seguro cibernético autónomo mantem-se irregular, mas este relatório é um lembrete de que as empresas têm muitas vezes mais hipóteses de sofrer um incidente cibernético do que um incêndio ou um roubo, riscos para os quais o segurado com maior probabilidade compra proteção.

Outros indicadores:

  • Grandes empresas debaixo da linha de fogo: mais da metade das empresas com mais de 1.000 funcionários (51%) relataram pelo menos um incidente cibernético, bem como foram alvo da maioria dos incidentes (cerca de 100) e violações de segurança (80).
  • Custos na aquisição de conhecimento: as empresas “especialistas” no modelo de prontidão de resposta cibernética gastaram uma média de US $ 4,2 milhões em 12 meses em segurança cibernética.
  • A defesa compensa: quer tenha havido ou não lugar a pagamento de resgate, as perdas médias para empresas sujeitas a um ataque de ransomware foram quase o dobro das empresas que enfrentaram um ataque de malware: US $ 927.000 em comparação com US $ 492.000.
  • Sinais de uma nova urgência: o relatório deste ano mostra que aproximadamente o dobro de empresas que sofreram um evento cibernético, tomaram medidas adicionais para combater os hackers.
  • Mais aquisição de seguros de riscos cibernéticos após um evento: A proporção de inquiridos que afirmaram ter adquirido um seguro de riscos cibernéticos como resultado de um ataque tem vindo a aumentar nos últimos três relatórios, de 9% para 20%. As empresas classificadas como “especialistas” estão na linha da frente: quase metade (45%) afirmou ter um seguro de riscos cibernéticos.

Sobre o estudo The Hiscox Cyber Readiness Report 2020

A Hiscox encomendou este estudo à Forrester Consulting para avaliar a capacidade de resposta cibernética das organizações. No total foram contactados 5.569 profissionais responsáveis pela estratégia de segurança cibernética das suas organizações (cerca de 1.000 do Reino Unido, EUA e Alemanha, mais de 500 da Bélgica, França, Espanha e Holanda, e cerca de 300 da República da Irlanda). Fazendo uma análise representativa das organizações por tamanho e setor, estas são as pessoas na linha de frente na batalha contra o crime cibernético. Os entrevistados completaram o inquérito online entre dezembro 2019 e fevereiro 2020. Cópia integral do estudo disponível em www.hiscox.co.uk/cyberreadiness.

Fonte: Hiscox Group

Fale connosco