LOGIN :
Blog Laura Tavares

A importância do conhecimento da cobertura

Indústria mercado segurador Responsabilidade

Imagine o seguinte cenário: águas cristalinas, sol radiante, brisa suave, descanso sem fim à vista e o último best-seller do New York Times pronto para ser devorado. Uma combinação que tinha tudo para correr bem; no entanto a realidade tinha outros planos.

Após um check-in sem percalços chegou a altura de levar as bagagens do carro para o quarto. O que para muitos é uma tarefa inócua e automática revelou-se o início de uma tragédia em três atos. Ver a placa metálica da cobertura do estacionamento exterior a perfurar o capô do carro, com o vidro pára brisas rachado de uma ponta à outra era algo que possivelmente não se associaria a umas férias há muito esperadas.

Primeiro Ato – A ida à receção

Para o comum dos mortais quando a situação anteriormente descrita sucede, o normal será ir à receção, a apólice de Responsabilidade Civil Exploração é ativada e o processo segue o seu curso normal: o sinistro é comunicado à companhia, os factos são apurados e a indemnização é paga. No entanto, assim como as águas cristalinas pareciam demasiado idílicas para serem verdade, o conhecimento sobre a existência de seguros por parte dos funcionários do hotel revelou-se no mínimo precário. Os mesmos não tinham a menor ideia de “que apólice” é que se estava a falar ou o porquê da mesma necessitar ser ativada. Noutras jurisdições, mais habituadas graças à sua cultura, a este tipo de situações, esta história seria impensável. No nosso país, infelizmente, existe muitas vezes um profundo desconhecimento do conceito de responsabilidade civil, e mais ainda de como os seguros estão criados para responder a este tipo de situações. 

Segundo Ato – A explicação

Após alguma incredibilidade, ligeiro pânico seguido de alguns minutos para processar a informação foi possível explicar que o seguro de responsabilidade civil exploração que o hotel teria cobriria os danos causados a terceiros por situações de carácter acidental que fossem responsabilidade do hotel como era o caso da cobertura do parque de estacionamento exterior.

Terceiro Ato – A resolução

Após um compasso de espera, que pareceu uma eternidade, foi possível chegar às informações pretendidas que possibilitaram a resolução da situação. O que esta história nos vem mostrar é que muitas vezes os próprios tomadores ignoram as benesses das coberturas de que dispõem, e para o usufruto das quais pagam um prémio. O seguro está para isso mesmo, para ser acionado nestas circunstâncias – não é meramente um papel que se compra porque “tem de ser”. O seguro traz tranquilidade e segurança e deve fazer parte da cultura de qualquer negócio, estando bem presente na mente dos seus funcionários para que a experiência dos seus clientes seja a melhor em todos os sentidos.             

Por Laura Tavares, Subscritora de Liability & Specialties

Fale connosco